quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

RENEGADES OF PUNK, DAD FUCKED AND THE MAD SKUNKS E MORRA TENTANDO [Palco do Teatro do antigo Beagá Café, 18/12/2009]

Por Luís Gustavo
Pode parecer estranho programar um evento com bandas de hardcore num local tão classe média como o Café Kancum, mas esta talvez tenha sido a decisão mais acertada. Não sei se os organizadores pensaram nisso, mas a ideia de agendar o show no antigo Beagá Café acabou dando uma dimensão completamente nova ao que geralmente é visto num show de punk rock. Não só o Café é um ambiente atípico para algo dessa natureza, mas também o pequeno público que compareceu naquela sexta-feira escaldante. Uma rápida olhada em volta foi o bastante para constatar isso. Muita gente bonita e cerveja gelada, fundamental naquele abafamento.

Foi praticamente todo mundo, menos aqueles “punks” burros que freqüentavam o velho Marquês. Ou seja, uma maravilha! Tinha indies a dar com pau, cabeludos de banho tomado, bancários, professores de cursinho e playboys também. Estes, com suas respectivas namoradinhas (em alguns casos, acompanhadas daquela irmã gorda que odeia todo mundo). Isso daria uma digressão antropológica e tanto, mas não vou encher o saco de vocês, vamos ao que interessa. Foram três bandas bem distintas entre si, dispostas a esquentar ainda mais a estação do inferno que vem se tornando a capital alagoana nesse verão ingrato: as locais Morra Tentando e Dad Fucked and The Mad Skunks, e a sergipana Renegades of Punk. Durante a apresentação da Morra Tentando pouca gente estava presente na pista e a apatia reinava absoluta. A rapaziada segue a mesma cartilha de bandas como Garage Fuzz e Noção de Nada e nas letras, mesmo em português, não se consegue entender uma palavra. Os caras bem que tentaram, mas não foi dessa vez. Para a Dad Fucked and The Mad Skunks, a ocasião serviu para por fim a um período de quase um ano longe dos palcos, além de representar a oportunidade de estréia dois novos integrantes: Bruno Jaborandy (baixo) e Felipe Gomes (bateria). Com cerca de cinco anos de existência, a banda já possui um bom público que comparece a suas apresentações onde quer que eles toquem. Justamente por isso imaginava-se que eles seriam os responsáveis por trazer um maior número de pessoas para dentro do teatro, mas com exceção de alguns gatos-pingados que se matavam de tanto pogar e dançar na beira do palco junto ao vocalista Rodolfo, a platéia continuava dispersa. O desinteresse talvez se explique pelo fato de a banda apresentar praticamente o mesmo show de sempre. Precisam renovar o repertório com urgência!Da Renegades of Punk eu já havia escutado algumas gravações. Restava ver qual era a deles ao vivo. Quando a barulheira começou, saí correndo do balcão do bar para não perder nada. É... eles me impressionaram. Tocaram com convicção, a vocalista grita muito e suas composições, apesar de extremamente simples e diretas, fogem do óbvio. No meio da porradaria, o trio ainda reservou espaço pra números que iam de Devo a Cólera. Ao fim da apresentação, muitos certamente saíram de alma lavada.

JELLO BIAFRA AND THE GUANTANAMO SCHOOL OF MEDICINE: THE AUDACITY OF HYPE (2009)

Desde o fim dos Dead Kennedys, Jello Biafra tem se envolvido em uma pancada de projetos com músicos das mais variadas matizes. Foi assim com o Lard, onde ele gravou alguns álbuns com os caras do Ministry, em seus discos com os canadenses do D.O.A. e NoMeansNo, bem como sua associação aos malucos do Mojo Nixon e sua parceria com os Melvins, entre outros. Em todos os casos Jello produziu seu material sem jamais prender-se a grupo algum. Em The Audacity Of Hype, seu primeiro trabalho com a Guantanamo School Of Medicine, Jello parece não só ter voltado a fazer parte de uma banda, como também retomado sua vertente mais punk. O grupo, um verdadeiro who is who do rock alternativo ianque, é composto por Andrew Weiss (Rollins Band, Ween, Butthole Surfers), Kimo Ball (Freak Accident), Ralph Spight (Victims Family) e Jon Weiss - todos empenhadíssimos, provando que a velharada ainda tem muita lenha pra queimar! Destaques para "New Feudalism" e "Electronic Plantation".