quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

A NOVA INVESTIDA DO ENFANT TERRIBLE DO CINEMA ESPANHOL

O diretor espanhol Alex de la Iglesia, definitivamente, não é um cara dado a convencionalismos. Basta dar uma checada em algumas de suas produções: “Ação Mutante”, “O Dia da Besta”, “Perdita Durango”, etc. Filmes bem distintos entre si, mas que carregam um forte aspecto em comum: todos sem exceção são completamente impregnados por um humor negro corrosivo e inquietante – uma espécie de marca registrada.

Ele é um dos mais talentosos diretores espanhóis de sua geração, constantemente apontado como sucessor natural do sempre venerado Pedro Almodóvar. Suas produções misturam comédia e horror, com um ritmo de histórias em quadrinhos. Além do humor ultrajante sempre presente, também é possível reconhecer em seus filmes uma gama infindável de referências à cultura pop.

The Oxford Murders, seu novo filme, é um thriller de suspense baseado no livro homônimo do escritor argentino Guillermo Martinez. Parece que o cara está bem próximo do mercadão ianque (apesar de esta ser uma produção européia). O elenco do filme, por exemplo, é encabeçado pelo astro hollywoodiano Frodo, digo, Elijah Wood e pelo ator inglês John Hurt (aquele moço que “deu a luz” a um monstrengo hediondo no filme “Alien, o oitavo passageiro”, lembra?).

A película foi toda rodada entre janeiro e março de 2007, nas cidades de Londres e Oxford, na Inglaterra, e estreou lá fora no final de dezembro. Deve chegar por aqui provavelmente agora no começo do ano. A história é mais ou menos essa: um estudante universitário americano (Wood) vai cursar em Oxford, chegando lá, depara-se com uma série de acontecimentos envolvendo crimes cometidos por um assassino serial. A partir daí, ele passa a se meter a detetive e começa a investigar os tais crimes com a ajuda do professor de lógica da universidade (Hurt), que utiliza métodos de investigação baseados nos livros de Arthur Conan Doyle.

Na real, eu não sei o que raios pode levar um estudantezinho americano de merda a virar macho e se meter numa investigação. Mas enfim... É esperar pra ver. Não posso julgar antecipadamente o enredo de um filme baseado apenas na sinopse. E estou certo de que, tratando-se de um filme do menino Alex de la Iglesia, a coisa toda deva passar longe da obviedade e da “bunda-molice”.

Trailer